Biografia

A ideia de trabalhar e desenvolver projetos com música na área educativa surgiu em meados de 2007, na cidade de Curitiba (PR), na ocasião em que Marcelo Darcini (Voz e Guitarra) estava estudando para prestar vestibular.
            Diante de tantos conteúdos complexos para estudar, Marcelo sentiu a necessidade de pensar em algo que pudesse ajudá-lo a memorizar, depois de ter estudado a matéria, todas as informações necessárias para um aprendizado eficiente. Como tem habilidade da música, e já fazia trabalhos profissionais em bandas, pensou que seria interessante então, gravar alguns tópicos importantes sobre os conteúdos, para depois ouvi-los e assim conseguir com mais facilidade aprender o que era preciso.
            Partindo desse cenário, surgiu a possibilidade de fazer música relacionada à Língua Portuguesa. E como os conteúdos são muito extensos, priorizou-se a composição de letras voltadas à morfologia e alguns tópicos relacionados à sintaxe.
            A primeira letra a ser gravada foi “Substantivo”. Após a música estar “pronta”, Marcelo pensou em como divulgá-la e começou a mostrá-la para alguns colegas músicos, com o intuito de montar uma banda de Rock que tocasse nesse estilo, o qual começou a chamar de “Rock Educativo”.
            No ano de 2008, Marcelo e Jéssica Steil (contrabaixista) estavam trabalhando no projeto das “Músicas Educativas”, como eram chamadas. Em 2009, apresentaram a ideia para o amigo e baterista Adriel Sampaio, que achou interessantíssimo e resolveu participar do projeto. Começaram então os ensaios para gravação do primeiro CD da banda, esta que até o momento não tinha um nome definido. Passaram pela banda os guitarristas Adriano Lopes e Rafael Xavier, mas a mesma fixou-se no trio.
            Marcelo pensava que a banda deveria ter um nome relacionado com a Língua Portuguesa e assim, ele sugeriu aos colegas de trabalho duas opções: Sujeito Simples ou Sujeito Composto. E por unanimidade a escolha do nome foi “Sujeito Simples”.
            Depois de gravado o primeiro CD, o qual versava sobre as 10 classes gramaticais, e com o nome da banda já definido, os idealizadores da ideia foram além: projetaram uma revista que contemplava todas as letras compostas já cifradas, o que facilitaria muito para novos aprendizes, pois além de entender o português ouvindo poderiam também tocar as letras e com isso fixar ainda mais a matéria. Partindo de tais trabalhos, a banda começou a desbravar o desconhecido, buscando algum apoio, entrando em contato com editoras e grupos educacionais, visto a ideia ser de suma importância e com um grande potencial para auxiliar professores em suas aulas, despertando assim nos alunos a vontade de aprender a disciplina de uma forma diferente, mais dinâmica, lúdica. “Foram praticamente 02 anos tentando fazer uma parceria com alguma editora”, salienta Marcelo Darcini.
            Em 2011, como nenhuma empresa demonstrou interesse em apoiar o projeto, a banda resolveu fazer o clipe da música “Preposição” e postar no “youtube”. Posterior a isso, prensaram mil CDs e 300 revistas para tentar vender, num valor simbólico, com intuito de divulgar o trabalho. Marcelo também resolveu disponibilizar o CD e a revista para “download” gratuito no “site” da banda, com a intenção de ajudar aqueles que não tinham condições de adquirir o material. As fotos para a composição da revista foram feitas pelo fotógrafo Jean Grein Xavier, amigo dos integrantes da banda.
             Ao colocar o clipe na net... Surpresa... Professores do Brasil inteiro começaram a pedir os materiais, não só professores, mas também alunos de ensino fundamental e médio, bem como os que estavam se preparando para concursos públicos.
             Muitos programas de TV entraram em contato para entrevistas e a banda gravou uma matéria especial para a RBS TV – Rede Globo, no Jornal do Almoço, em Florianópolis – SC. Também fez uma apresentação ao vivo no RPC - Rede Globo de Curitiba -, onde tocaram para em média, 02 milhões de telespectadores. “Essa foi uma experiência ímpar porque estávamos ao vivo e tendo a chance de mostrar um pouquinho do nosso trabalho”, afirma Marcelo Darcini.
             Com o passar do tempo foram surgindo novas oportunidades e a banda tinha outras propostas para apresentações em TVs, mas como havia um alto custo para as viagens e não tinham patrocínio algum, muitas das propostas não puderam, infelizmente, ser concretizadas.
            Alguns meses depois de tais apresentações, o baterista, por motivos pessoais, precisou desligar-se da Banda. Marcelo e Jéssica continuaram a batalhar pelo projeto, iniciando o segundo CD. Porém, com a saída do colega de trabalho, o projeto ficou comprometido, não sendo efetivado plenamente.
            Para dar continuidade e não abrir mão de uma ideia que traria muitos benefícios a todos que estivessem buscando conhecimento na área de Língua Portuguesa, Marcelo Darcini resolveu, ele mesmo, gravar as baterias que faltavam para completar o disco, e assim lançaram o segundo CD, acompanhado da segunda revista, nos mesmos padrões da primeira, juntamente com um clipe no “youtube” intitulado CRASE 2. O segundo CD foi lançado apenas na internet não tendo nenhuma cópia prensada. Nas fotos da capa estão apenas Marcelo e Jéssica, porque estavam sem baterista no momento.
            Em maio de 2012, Marcelo convida o Baterista André Marés para fazer parte do projeto, mas não chegaram a fazer nenhum ensaio. Dia 13 de junho de 2012 entra na banda o baterista Eziquiel Augustin (Zique) e a banda faz uma sessão de fotos no estúdio do mesmo, em Mafra-SC.
            Em Julho de 2012 a banda recebeu um convite e deu uma entrevista para a Revista “Seleções”. E em agosto de 2012, também por motivos pessoais, a companheira Jéssica Steil desliga-se da banda Sujeito Simples.
            Nesta mesma época a banda é procurada para participar de um evento educativo direcionado para professores, alunos da rede municipal, estadual e turmas universitárias, o qual foi promovido pela Oficina da Língua Portuguesa, na cidade de Sobradinho – RS. Mas como a banda estava passando por mais um processo de adaptação, agora sem a contrabaixista, Marcelo estava na dúvida se parava ou continuava o trabalho, pois era difícil agendar eventos com a banda sofrendo tantas mudanças.
            Então, pensando em realizar o evento educativo juntamente com a Oficina da Língua Portuguesa, foi sugerido pelo baterista da banda, Zique, a ideia de chamar um novo baixista, e de comum acordo, convidam Dino Krol o qual aceita e entra para a banda, e assim o projeto volta a ganhar força e se iniciam os ensaios para os shows e eventos que pudessem vir a ocorrer.
            Em Setembro de 2012, a banda dá uma entrevista para o site da UOL e produzem um clipe da música “Adjetivo”, o qual foi veiculado na TV UOL. Em Dezembro do mesmo ano, realizam o I Pop Rock Educativo da Língua Portuguesa, em parceria com a Oficina da língua Portuguesa, no interior do Rio Grande do Sul.
            Este ano a banda continuou a luta em busca de apoio em diversos setores, mas sem conseguir muitos recursos, fez apenas uma apresentação ao vivo no Seminário de Educação realizado em Capinzal – SC.
            Em agosto, Marcelo gravou uma música inédita, que não havia entrado ainda em nenhum dos CDs, foi feita apenas com voz e violão. A produção do clipe foi feita pelo amigo e designer Mister Ener. “Eu não quis deixar essa música guardada, então resolvi gravá-la mesmo sendo apenas com violão e voz, sem banda, para postar no “youtube” e compartilhar com a galera, pois sei que ela pode ser útil”, enfatiza Marcelo.
            Em outubro de 2013, Marcelo decide dar um novo olhar para seus ideais e projetos e resolve repensar os caminhos para a idealização dos mesmos. “Sabe-se que buscar o “novo” não é algo fácil, requer força de vontade, dedicação, amor pelo que se faz e estamos aí para isso. Sei que nosso trabalho ajudará e fará a diferença no processo de aprendizagem de muitas pessoas”, diz Marcelo.
            
Texto feito pela professora Angela Ferraz.

Obs: A Banda Sujeito Simples encerrou suas atividades em outubro de 2013.